sábado, 19 de julho de 2008

Uma dúvida orçamental...

A correcção orçamental resistirá ao arrefecimento da economia portuguesa?
(Por memória: o Banco de Portugal baixou as previsões de crescimento para 2008, de 2,0% para 1,2% , e para 2009, de 2,3% para 1,3%.)

2 comentários:

VIVA O REI disse...

A pergunta é antes:

"resistirá a economia portuguesa á correcção orçamental"

mais um ano de politicas pró-ciclicas por parte do governo e a economia afunda de vez

Um economista que está muito em voga nos EUA é Michal Kalecki...e Bernard Lonergan (ambos partilham algumas ideias comuns)

existe um raro artigo em português sobre Lonergan, aqui:
http://www.somosportugueses.com/modules/news/article.php?storyid=1009

será que caminhamos para uma maior intervenção estatal?....é que com esta estagnação a nivél europeu e alguma incapacidade em controlar os fluxos de capitais para os mercados de futuros (mercado onde nem a taxa Tobin é aplicavel)a tentação será grande!
até Jean Claude trichet já o admitiu...
“Se a auto regulação do sistema financeiro funcionar aceitá-la-emos, se (…) for impossível ou incompleta teremos de ter mais regulação (…), mais regulação pública”,referia Jean-Claude Trichet, presidente do BCE,a 10 de Junho

uma opinião nesse sentido:
http://causamonarquica.wordpress.com/2008/07/18/entrevista-do-o-diabo-ao-presidente-da-direccao-do-idp/


bem haja

Fábio disse...

Caro Viva o rei:
A sua questão já está um passo à frente da minha.

Interrogo-me se o baixo crescimento económico não comprometerá o saldo orçamental. Não serão precisas novas medidas discricionárias para continuar a combater o défice?

Admitindo que a resposta é positiva, então concordarei consigo: as novas medidas serão pró-cíclicas e portanto acrescentam mais arrefecimento económico.